Fui guia na Exposição Portinari Popular no MASP

on
12/08, sexta-feira – MASP: Exposição Portinari Popular – R$ 12,00 – meia entrada

Na sexta-feira da semana passada, dia 12/08, aconteceu algo diferente comigo, fui guia turística aqui em São Paulo. Foi algo novo porque normalmente quem mora na cidade nunca pensa em turistar por aqui. Eu me considero um pouco fora da curva pois adoro nossa essepê e sempre estou andando por aí para descobrir coisas novas, mas é outro sentimento ter que mostrar a cidade para alguém. Sim, eu já recebi pessoas de outras cidades ou países que normalmente estão por aqui de passagem, ou para ficar por muito tempo, ou vem para algum evento específico, ou para matar saudade de pessoas mas nunca para, de fato, conhecer o que temos.

Dessa vez foi especial: tive o privilégio de ser a guia por um dia de um casal dinamarquês, o Ole e a Suzanne, que fizeram o papel de pais para o meu irmão, enquanto que ele estava estudando por um ano nessas terras geladas. Eles fazem parte do Rotary Internacional e vieram para trabalhar dois dias, mas depois poder passear por uma semana; sendo dois aqui em São Paulo e cinco no Nordeste. Chegaram durante o período das Olimpíadas no país, mas não tinham interesse em assistir nenhuma disputa esportiva.

MASP: Exposição Portinari Popular
MASP: Ole e Suzanne na Exposição Portinari Popular

No primeiro dia eles acabaram sendo acompanhados por uma outra pessoa do Rotary que os levou para o centro, foram para o Mercadão, Catedral da Sé, Pátio do Colégio, churrascaria e por fim um drinque no Terraço Itália. E a sexta (gelada) era minha!

Resolvi então primeiramente levá-los ao MASP (quem já leu meu post sobre o museu – neste link – sabe o quanto eu gosto de lá). Tive sorte, na noite anterior foi a inauguração da exposição “Portinari Popular”! Ou seja, poderíamos ir ao museu e ainda apresentá-los para as obras de um dos mais importantes e polêmicos artistas brasileiros do século XX, Candido Portinari (1903-1962).

Já começamos de uma maneira diferente, pois as telas estão expostas lado a lado, baseadas na concepção de Lina Bo Bardi (1914-1992) para uma exposição do mesmo artista que aconteceu em 1970. Aqui no subsolo, os cavaletes são de madeira e o impacto causado, ao chegar e ver todas as telas de frente, é enorme.

MASP: Exposição Portinari Poular
MASP: Exposição Portinari Poular
Meninos Soltando Pipas, 1941, Cândido Portinari
Meninos Soltando Pipas, 1941, Candido Portinari

São cerca de 50 obras do artista, entre elas as pertencentes ao próprio MASP, à outras instituições públicas e de coleções particulares. O foco não foi comparar Portinari com os artistas europeus, mas mostrar a realidade do nosso país com conteúdos sociais, tais como manifestações políticas, o cotidiano dos trabalhadores e representações de tradições culturais brasileiras, como festas populares, brincadeiras típicas e bonecas karajá.

Candido Portinari nasceu em Brodósqui (ou Brodowski), cidade no interior do estado de São Paulo e por aí começamos a viagem pelo nosso país. É bastante interessante pois parte de sua obra coloca em evidência personagens populares e a partir deles a cultura é descoberta.

Portinari_MASP_6
Exposição Portinari Popular MASP

Passa pelas favelas do Rio de Janeiro, onde morou grande parte da sua vida, e retrata essas figuras em suas atividades seja lavrando café, lavando roupa, fazendo música. Ele consegue escancarar a vida dos cangaceiros, dos retirantes, dos jangadeiros, dos estivadores, mostrando as particularidades dos negros, dos mulatos, dos índios e apenas de um membro da elite: Mário de Andrade (1893-1945), importante interlocutor do artista, pioneiro na valorização da cultura popular brasileira.

Colona sentada, 1935, Candido Portinari
Colona sentada, 1935, Candido Portinari

Particularmente, as cores de crepúsculo me fascinaram e a emoção ficou à flor da pele: trouxe à tona sentimentos seja de desespero e angústia, como também de alegria e calmaria. Um pavimento cheio de obras que consegue despertar e comover.

Mulata de Vestido Branco , 1936, Cândido Portinari
Mulata de Vestido Branco , 1936, Candido Portinari

O Ole e a Suzanne gostaram muito e foi uma maneira bem gostosa de fazer uma retrospectiva contando um pouco sobre a história do Brasil, sobre o nosso povo e a nossa cultura. Despertou neles maior interesse em saber no detalhe coisas que nunca haviam escutado de uma forma leve e divertida.

Terminada a transe histórica fomos ao nosso Parque do Ibirapuera, pois gostaria que eles conhecessem a nossa vegetação exuberante no meio da cidade. Fizemos uma pausa, levei-os para comer um açaí, mas eles preferiram tomar um chope (que caiu muito bem). Finalizamos o dia subindo no prédio do MAC-USP admirar o parque e a Avenida 23 de maio de cima: o Sol brilhou, sorriu e pude sentir que o casal lá do outro lado do mundo entendeu, pelo menos um pouquinho, o que é São Paulo para mim.

Parque Ibirapuera
Parque Ibirapuera

 

~ Lembrando que hoje é terça e às terças-feiras a entrada do MASP é gratuita. A exposição acontecerá até dia 15 de novembro. Não deixe de ir.

Adorei ser guia, se você tiver interesse em fazer algum roteiro, passeio ou que eu acompanhe algum grupo, fale comigo por e-mail em contato@blogdacalo.com.br =) ~

 

Deixe um comentário: